logoface  logoyoutube  logoinstagram 



Projeto “OAB vai à escola” tem feito a diferença na formação cidadã de estudantes da rede estadual

Avalie este item
(0 votos)

“Se nós queremos um país melhor, com mais respeito entre as pessoas, é essencial trabalhar o assunto cidadania com as crianças e adolescentes”. A fala do advogado Thiago Marcondes, presidente da Comissão da Advocacia Jovem da OAB Cascavel, resume o intuito do projeto “OAB vai à escola”, um programa de nível nacional que também tem sido aplicado em colégios estaduais cascavelenses e tem feito diferença na formação dos estudantes.

Mensalmente, advogados voluntários se reúnem para levar conhecimento sobre direitos e deveres para alunos do 9º do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio. São trabalhadas noções de Constituição e Cidadania, Direito Civil e do Consumidor, Direito de Família, Penal e Estatuto da Criança e do Adolescente, além de Direito do Trabalho e Previdenciário. Durante uma manhã, divididos em duplas, os profissionais se revezam para visitar as salas, ministrando uma aula de 50 minutos para cada turma. “É muito gratificante. Percebemos que os alunos têm muito interesse e dúvidas. Muitas vezes eles acabam recebendo da mídia, nas novelas, na internet, informações equivocadas. Eles fazem bastante perguntas, participam muito. Acredito que estamos atingindo o nosso objetivo que é justamente levar conhecimento para fazer com que a população fique mais informada sobre os direitos e deveres. Principalmente nessa faixa etária, é muito importante saber que tudo que eles fazem tem um retorno, uma consequência”, avalia Thiago.

A agenda de visitas é feita depois do envio de uma carta apresentação do projeto para os colégios, em trabalho conjunto com Núcleo Regional de Educação. O cronograma de 2018 foi fechado rapidamente, com grande procura das instituições de ensino. Uma delas foi o Colégio Estadual do Campo Pedro Ernesto Garlet. “No dia posterior ao projeto fiz uma enquete com os alunos e todos elogiaram o trabalho. Os estudantes do 9º ano do até perguntaram quando o projeto aconteceria de novo. Algumas alunas do ensino médio relataram interesse em cursar Direito. Assim, o trabalho realizado pela OAB não só cumpriu, mas superou nossas expectativas. Acreditamos que contribuiu para a formação humana de nossos estudantes, uma vez que procuramos formar cidadãos críticos e protagonistas de suas próprias histórias”, elogia e agradece Vera Lucia, coordenadora pedagógica do colégio.


Planejando as próximas edições

Para este ano, as datas disponíveis para a realização do evento já estão fechadas. Mas outros colégios estaduais podem ter essa oportunidade a partir do ano que vem. “As escolas podem procurar a OAB, solicitando uma data para a realização do encontro. Antes do evento em si, os coordenadores do projeto vão até a escola conversar com a diretora, explicar os objetivos, esclarecer alguns pontos. No o ano que vem, as escolas vão receber a carta de apresentação ou podem procurar a secretaria da OAB para fazer esse pedido”, orienta o advogado Thiago Marcondes.